Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Ônibus elétricos são tema de seminário internacional realizado pelo MDIC

10.05.2015 E mob

Participantes do evento debateram alternativas para veículos movidos a combustíveis fósseis

Brasília (10 de maio) - O uso de ônibus elétrico no transporte público brasileiro foi tema de seminário internacional realizado nesta quarta-feira em Brasília. O evento “E-mob - Eletromobilidade aplicada ao Transporte Público por ônibus” foi promovido pelos Ministérios da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) e das Cidades, em parceria com o governo alemão.

Como destacou o secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial do MDIC, Igor Calvet, na abertura do seminário, a mobilidade elétrica é o novo paradigma para o setor automotivo. “A eletromobilidade rompe o padrão anterior de motores de combustão. Para conseguirmos avançar em eletromobilidade, temos necessidade urgente de melhorar a mobilidade urbana. Nosso setor produtivo também deve estar atento às tendências mundiais nesse setor”, disse.

Na visão do governo alemão, há pelo menos três desafios a serem vencidos nos próximos anos: os custos da descarbonização do setor de transporte, o desenvolvimento de novos modelos de negócio e a capacidade técnica dos municípios para receberem frotas de veículos elétricos.

A ministra-conselheira e chefe da Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável da Embaixada da Alemanha, Annete Windmeiser, destacou que, a despeito dessas questões, os governos precisam estimular a adoção de veículos elétricos.

“na Alemanha temos hoje 171 ônibus elétricos rodando, com a perspectiva de dobrar esse número até o final do ano. Considerando que temos por volta de 36.000 ônibus no transporte público urbano na Alemanha, esses números ainda são tímidos. O Brasil tem condições mais favoráveis de eletrificação do transporte público urbano. Precisamos juntar esforços e pensar em soluções que signifiquem menos emissão de CO2 na atmosfera”, afirmou.

A eletrificação de veículos trará impactos ambientais e climáticos positivos. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que, hoje, 9 em cada 10 pessoas no mundo respiram ar poluído. Sem políticas públicas para evitar a emissão de gases poluentes, a OMS estima que, em 2100, o clima na Terra atingirá até 48ºC.

Estudos de caso

Durante o seminário “E-mob” foram apresentadas experiências internacionais em eletromobilidade. Ray Minjares, pesquisador do International Council on Clean Transportation (ICCT), destacou a trajetória chinesa que, após sofrer com névoas intensas de poluição em 2013, adotou medidas duras para melhorar a qualidade do ar. O país tem 99% dos ônibus elétricos em circulação.  

“A China adotou 10 passos para estimular o uso de veículos elétricos. O governo estipulou que 60% das frota de ônibus dos municípios devem ter sistema de energia alternativa - devem ser híbridos, movidos a bateria ou a hidrogênio. Desde 2009, o país gastou 48 bilhões de dólares na promoção da eletrificação de veículos”, disse.

De acordo com dados apresentados por Minjares, cidades chinesas como Hainan, Changsa, Shenzen e Ilhas Chomgming superaram a meta do governo e têm hoje menos de 10% dos ônibus movidos a combustão.

Outro estudo de caso apresentado foi o de Los Angeles, cidade mais poluída da Califórnia, nos Estados Unidos. A prefeitura do município se comprometeu a trocar, até 2030, toda frota de ônibus. “A Califórnia conta hoje com 107 ônibus elétricos e tinha encomendado, até setembro de 2017, outros 304 veículos. As cidades do estado contam com apoio do governo para renovar a frota”, explicou o pesquisador do ICCT.

“Precisamos adotar medidas nacionais e também locais. Os governos devem pensar em incentivos fiscais, metas nacionais de descarbonização e medidas de avaliação de suas políticas. No plano local, as prefeituras devem demonstrar à população os benefícios dos veículos elétricos. Também precisam determinar quais serão as primeiras malhas viárias a receberem o sistema de eletrificação na cidade e estabelecer as estratégias operacionais de zero emissão”, finalizou Minjares.

Cooperação alemã

No seminário, foram apresentadas as duas iniciativas em eletromobilidade que o governo brasileiro realiza em parceria com o Ministério alemão de Cooperação Econômica e Desenvolvimento (BMZ, na sigla em alemão) por meio da Agência Alemã de Cooperação Internacional (GIZ).

O “Promob-e”, executado pelo MDIC, tem o objetivo de auxiliar na formulação de políticas públicas que estimulem a adoção de sistemas de propulsão mais eficientes. O projeto de cooperação teve início em janeiro de 2017 e tem duração prevista até 2020. Até esse ano, o governo alemão deverá dispender 5 milhões de euros para realizar seminários, oficinas e visitas técnicas que ajudem a mapear o cenário brasileiro no que se refere à eletromobilidade.

Já foram realizados seminários e cursos de formação em propulsão eficiente para mais de 70 formuladores de políticas públicas. Em setembro do ano passado, representantes do governo brasileiro foram à Alemanha conhecer ações e projetos voltados ao desenvolvimento de veículos elétricos nas cidades de Bonn, Aachen e Frankfurt. Os participantes da missão visitaram o Salão do Automóvel e conheceram diversos modelos de automóveis movidos a propulsão elétrica.

Acesse aqui o site do Promob-e

Já o “Eficiência Energética na Mobilidade Urbana” (EEMU), coordenado pelo Ministério das Cidades, busca criar condições institucionais e técnicas no setor de mobilidade urbana no Brasil.

Assessoria de Comunicação Social do MDIC 
(61) 2027-7190 e 2027-7198 
imprensa@mdic.gov.br 
  
Redes Sociais: 
www.twitter.com/mdicgov 
www.facebook.com/mdic.gov 
www.youtube.com/user/MdicGovBr 
www.flickr.com/photos/mdicimprensa 
http://pt.slideshare.net/mdicgovbr 
https://soundcloud.com/mdic

registrado em:
Fim do conteúdo da página