Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Secretário de Inovação destaca estratégia brasileira de negócios de impacto em evento da ONU

24.04.2018 enimpacto

Marcos Vinícius de Souza apresentou, em Nova York, a Estratégia Nacional de Investimentos e Negócios de Impacto (Enimpacto), instituída em dezembro do ano passado

Brasília (25 de abril) – O Brasil é um dos pioneiros no debate sobre negócios de impacto, como são chamados os empreendimentos que conciliam lucro e impacto socioambiental positivo.

É por este motivo que o secretário de Inovação e Novos Negócios do MDIC, Marcos Vinícius de Souza, foi convidado a participar, nessa terça-feira, de um seminário organizado pelas Nações Unidas (ONU) e OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico) sobre esse assunto em Nova York, nos Estados Unidos.

Como explicou o secretário, existem no Brasil mais de quinhentas empresas de impacto nos mais diversos setores da economia, como habitação, turismo, educação e tecnologia. Para ampliar o número desses empreendimentos, o governo criou, em dezembro de 2017, o Comitê de Investimentos e Negócios de Impacto. 

O grupo, presidido pelo MDIC e integrado por membros de outros órgãos do governo e da sociedade civil, se reúne periodicamente para propor, monitorar e articular ações que incentivem a criação e desenvolvimento dos negócios de impacto.

“Estamos discutindo, entre outras medidas, a ampliação da oferta de capital aos empreendimentos que geram impacto socioambiental e como conectar esse tipo de negócio a cadeias de fornecedores de grandes empresas”, explicou o secretário.

Segundo Marcos Vinícius, o Brasil é um dos primeiros países a elaborar uma política pública para o setor. “O comitê e a Estratégia Nacional de Investimentos e Negócios de Impacto (Enimpacto) somam esforços de 16 órgãos do governo, além de representantes da sociedade civil e do setor empresarial. Recentemente, a OCDE nos destacou como referência internacional no assunto”, disse.

Participaram do evento o embaixador Pio Wennubst, subdiretor-geral e chefe do Departamento de Cooperação Global da Agência Suíça para o Desenvolvimento; Karen Wilson, do Departamento de Finanças para o Desenvolvimento Sustentável da OCDE; Rodrigo Salvado, vice-diretor do Departamento de Políticas de Desenvolvimento e Finança da Fundação Bill & Melinda Gates; Anthony Tonee Ndungu, fundador da Kytabu; Judith Karl, secretária-executiva do Fundo de Desenvolvimento de Capital das Nações Unidas (UNCDF, na sigla em inglês); Charlotte Petri Gornitzka, membro do Comitê de Assistência ao Desenvolvimento da OCDE; Abul Kalam Azad, do governo de Bangladesh; Grete Faremo, subsecretária-geral da ONU e diretora-executiva do Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS); e John Morris, CEO da 17 Asset Management.

Histórico

Internacionalmente, a agenda de negócios de impacto surgiu em julho de 2013, quando foi criada a Força Tarefa de Investimento de Impacto dos países do G7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido) e da Austrália, destacada como membro observador.

Em 2015, esse grupo passou a se chamar Global Steering Group (GSG) e cinco novos países foram incluídos nas discussões sobre o tema: Brasil, Índia, Portugal, México e Israel.

A Força Tarefa Brasileira de Finanças Sociais (FTFS) tem se dedicado, desde 2014, a mapear, conectar e apoiar os principais atores e agendas estratégicas para destravar fontes de investimento.

Em agosto de 2016, o MDIC firmou um Acordo de Cooperação Técnica com a FTFS, tornando-se ponto focal na articulação de órgãos federais nesse tema.

Em dezembro de 2017, o governo brasileiro instituiu a  Estratégia Nacional de Investimentos e Negócios de Impacto (Enimpacto) e o Comitê de Negócios de Impacto. O grupo é formado por representantes dos ministérios da Indústria, Comércio Exterior e Serviços; Relações Exteriores; Fazenda; Desenvolvimento Social; Planejamento, Desenvolvimento e Gestão; Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações; e da Casa Civil. Além disso, o Comitê tem membros da Escola Nacional de Administração Pública, Comissão de Valores Mobiliários, Financiadora de Estudos e Projetos, CNPq, BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Apex-Brasil e Sebrae e dez representantes do setor privado e de organizações da sociedade civil.

 

Assessoria de Comunicação Social do MDIC 

(61) 2027-7190 e 2027-7198 
imprensa@mdic.gov.br 
  
Redes Sociais: 
www.twitter.com/mdicgov 
www.facebook.com/mdic.gov 
www.youtube.com/user/MdicGovBr 
www.flickr.com/photos/mdicimprensa 
http://pt.slideshare.net/mdicgovbr 
https://soundcloud.com/mdic

registrado em:
Fim do conteúdo da página