Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Em Washington, Marcos Jorge defende aço brasileiro de eventual sobretaxa dos EUA

27.02.2018

Ministro esteve reunido com secretário de Comércio norte-americano; comércio bilateral foi tema central da agenda

Washington (27de fevereiro) - O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge, reuniu-se, no início da tarde desta terça-feira (27), com o secretário de Comércio dos Estados Unidos, Wilbur Ross, para tratar de temas relacionados ao comércio bilateral. A pauta central foi a possibilidade, estudada pelo governo do presidente Donald Trump, de sobretaxar as importações de aço norte-americanas. Medida que, se confirmada, afetará produtores brasileiros. O ministro defendeu a complementaridade do comércio entre ambos os países e disse que o aço brasileiro não ameaça os EUA. O embaixador do Brasil em Washington, Sérgio Amaral, também participou do encontro.

O Brasil foi o segundo maior fornecedor de produtos siderúrgicos para os Estados Unidos em 2016, atrás apenas do Canadá. O ministro Marcos Jorge defendeu a complementaridade no comércio desse setor entre os dois países uma vez que o Brasil fornece cerca de 50% de semiacabados de ferro e aço importados pelos Estados Unidos, utilizados como insumos pela indústria de transformação do país.

Por outro lado, ressaltou Marcos Jorge, o Brasil é um grande importador de carvão mineral utilizado em autos fornos siderúrgicos. "Somos o maior consumidor internacional desse produto norte-americano. Uma eventual aplicação de medida que impacte a nossa produção de aço pode refletir diretamente na nossa necessidade de consumo de carvão mineral", alertou.

Aço

O governo norte-americano estuda três possibilidades de sanções tarifárias contra as importações de aço. Na avaliação dos EUA, reduzir importações pode contribuir para o aumento da utilização da capacidade instalada das siderúrgicas do País. Para Marcos Jorge, o Brasil deveria ficar de fora de qualquer uma dessas medidas. “Explicamos isso ao secretário, que esteve bastante atento aos nossos argumentos”, disse.

Ross se comprometeu a analisar os números apresentados pela delegação brasileira e repassá-los ao presidente Trump, que é quem vai definir essa situação. Ele, entretanto, tranquilizou os brasileiros ao dizer que, mesmo que haja alguma aplicação de medida que afete o Brasil, ainda haverá a possibilidade de pedido de recurso, o que poderia reverter a eventual taxação.

O ministro Marcos Jorge saiu da reunião confiante. "O secretário Wilbur Ross nos recebeu muito bem. Esteve atento aos nossos argumentos e disse que vai rever os números do comércio bilateral que envolvem o setor siderúrgico e de carvão mineral", disse, complementando que o governo brasileiro segue confiante na complementaridade do comércio e que uma possível aplicação de medida contra produtos brasileiros poderá reverter em perdas para a própria indústria norte-americana.

Os Estados Unidos são o segundo maior parceiro comercial do Brasil. Em 2017, o fluxo comercial foi de mais de US$ 50 bilhões, envolvendo mais de 20 mil empresas. O desempenho no ano passa teve um incremento de 10,1% em relação ao ano de 2016.

A reunião também tratou de temas como etanol, trigo, convergência regulatória e outros. O ministro brasileiro avalia que a reunião foi bastante positiva.

Assessoria de Comunicação Social do MDIC 

(61) 2027-7190 e 2027-7198 
imprensa@mdic.gov.br 
  
Redes Sociais: 
www.twitter.com/mdicgov 
www.facebook.com/mdic.gov 
www.youtube.com/user/MdicGovBr 
www.flickr.com/photos/mdicimprensa 
http://pt.slideshare.net/mdicgovbr 
https://soundcloud.com/mdic

registrado em:
Fim do conteúdo da página