Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Comércio Exterior > Estatísticas de Comércio Exterior > Balança comercial brasileira: Semanal
Início do conteúdo da página

Balança comercial brasileira: Semanal

 

 

ATENÇÃO: As publicações semanais passarão por reformulações. Para melhor adequação das novas publicações, buscaremos entender como os dados semanais são utilizados.

Por favor, colabore respondendo a pesquisa a seguir. Clique aqui para responder a pesquisa (abrirá em uma nova página/aba do seu navegador)

 

 

BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA

ABRIL 2018 – 3ª semana

 

  • RESULTADOS GERAIS

Na terceira semana de abril de 2018, a balança comercial registrou superávit de US$ 1,217 bilhão, resultado de exportações no valor de US$ 4,701 bilhões e importações de US$ 3,484 bilhões. No mês, as exportações somam US$ 14,504 bilhões e as importações, US$ 9,962 bilhões, com saldo positivo de US$ 4,541 bilhões. No ano, as exportações totalizam US$ 68,871 bilhões e as importações, US$ 50,381 bilhões, com saldo positivo de US$ 18,490 bilhões.

  • ANÁLISE DA SEMANA

A média das exportações da 3ª semana chegou a US$ 940,3 milhões, 4,1% abaixo da média de US$ 980,2 milhões até a 2ª semana, em razão da queda nas exportações das três categorias de produtos: básicos (-6,0%, de US$ 513,5 milhões para US$ 482,6 milhões, por conta de milho em grãos, petróleo em bruto, minério de cobre e carnes bovina, de frango e suína), semimanufaturados (-5,7%, de US$ 119,3 milhões para US$ 112,5 milhões, em razão de alumínio em bruto, madeira em estilhas ou partículas, óleo de soja em bruto, manufaturados de ferro/aço e madeira serrada ou fendida) e manufaturados (-0,7%, de US$ 326,7 milhões para US$ 324,2 milhões, em razão, principalmente, de torneiras e válvulas, fio-máquinas e barras de ferro/aço, motores, geradores e transformadores elétricos, polímeros plásticos e automóveis de passageiros).

Do lado das importações, apontou-se crescimento de 7,6%, sobre igual período comparativo (média da 3ª semana, US$ 696,8 milhões sobre média até a 2ª semana, US$ 647,8 milhões), explicada, principalmente, pelo aumento nos gastos com aeronaves e peças, combustíveis e lubrificantes, cereais e produtos da indústria de moagem, instrumentos de ótica e precisão e químicos orgânicos e inorgânicos.

  • ANÁLISE DO MÊS

Nas exportações, comparadas as médias até a 3ª semana de abril/2018 (US$ 966,9 milhões) com a de abril/2017 (US$ 982,2 milhões), houve queda de 1,5%, em razão da diminuição nas vendas de produtos manufaturados (-4,5%, de US$ 341,2 milhões para US$ 325,9 milhões, por conta de tubos flexíveis de ferro/aço, hidrocarbonetos e derivados halogenados, açúcar refinado, automóveis de passageiros e óxidos e hidróxidos de alumínio) e semimanufaturados (-0,1%, de US$ 117,1 milhões para US$ 117,0 milhões, por conta de manteiga, gordura e óleo, de cacau, açúcar de cana em bruto, borracha sintética e borracha artificial, couros e peles, depilados, óleo de soja em bruto). Por outro lado, cresceram as vendas de produtos básicos (+0,6%, de US$ 500,0 milhões para US$ 503,2 milhões, por conta, principalmente, de magnésia calcinada e outros óxidos de magnésio, minérios de manganês e seus concentrados, bovinos vivos, petróleo em bruto e fumo em folhas). Relativamente a março/2018, houve crescimento de 1,1%, em virtude dos aumentos nas vendas de produtos básicos (+6,7% de US$ 471,3 milhões para US$ 503,2 milhões). Por outro lado, houve queda nas vendas de produtos manufaturados (-4,3%, de US$ 340,5 milhões para US$ 325,8 milhões) e semimanufaturados (-2,9%, de US$ 120,5 milhões para US$ 117,0 milhões).

Nas importações, a média diária até a 3ª semana de abril/2018, de US$ 664,2 milhões, ficou 11,5% acima da média de abril/2017 (US$ 595,4 milhões). Nesse comparativo, cresceram os gastos, principalmente, com bebidas e álcool (+ 77,5%), automóveis e partes (+ 39,7%), equipamentos mecânicos (+33,4%), instrumentos de ótica e precisão (+ 22,0%) e químicos orgânicos e inorgânicos (+ 14,1%). Ante março/2018, houve crescimento de 1,0%, pelos aumentos em cereais e produtos da indústria da moagem (+31,2%), borracha e obras (+12,2%), automóveis e partes (+9,9%), equipamentos mecânicos (+8,5%) e plásticos e obras (+8,0%).

 

SECEX/DEAEX

23.04.2018

 

3ª Semana 04 Mês

 

registrado em: ,
Fim do conteúdo da página