Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Energia Eólica

A energia eólica vem aumentando sua participação na matriz energética brasileira e é a fonte que mais cresceu no país em participação nos leilões desde 2009. As contratações dos últimos anos demonstraram que as usinas eólicas atingiram preços bastante competitivos e impulsionaram a instalação de uma indústria nacional de equipamentos para atendimento a esse mercado. O compromisso estabelecido pelo governo é o de diversificar a matriz energética, organizar leilões que contratem energia pelo menor preço e que garantam a sustentabilidade ambiental.

Além de ser uma fonte renovável e competitiva, a energia eólica se apresenta como complementar à fonte hidrelétrica, na medida em que os melhores ventos ocorrem nos períodos de menor regime de chuvas. A geração eólica auxilia na recomposição dos níveis dos reservatórios, ou seja, possibilita a formação de acúmulo de água para geração futura.

Na parte ambiental, preocupações com o crescimento da concentração de CO2 e de gases de efeito estufa na atmosfera têm mobilizado vários países a buscar soluções efetivas para a redução das emissões nos próximos anos. Um importante benefício da geração eólica é a não-emissão de dióxido de carbono na atmosfera. Com isso, vários países do mundo têm buscado aumentar o uso da energia eólica como uma fonte renovável de energia.

O MDIC tem interesse em fortalecer os elos produtivos da cadeia de aerogeradores, de forma a tornar mais competitiva à produção nacional.

Mapeamento da Cadeia Produtiva da Indústria Eólica no Brasil: em 2014, a ABDI lançou o estudo “Mapeamento da cadeia produtiva da indústria eólica no Brasil”, em que estão consolidados relatórios com análises críticas e sugestões para fomentar o desenvolvimento da cadeia produtiva de bens e serviços, propor melhorias da cadeia já existente, estimular a formação de clusters e de arranjos produtivos do segmento. O estudo pode ser acessado aqui.

Regras para o credenciamento e financiamento de aerogeradoresno BNDES: o BNDES aprovou, em dezembro de 2012, uma metodologia específica para credenciamento e apuração do conteúdo local para aerogeradores, estabelecendo metas físicas, divididas em etapas, que deverão ser cumpridas pelos fabricantes de acordo com um cronograma previamente estabelecido, cujos detalhes podem ser vistosaqui.

O BNDES financia empreendimentos de geração de energia a partir de fontes alternativas, visando a diversificação da matriz energética nacional. Os detalhes podem ser vistos aqui.

Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura: o REIDI foi instituído em 2007 para desonerar do PIS e da COFINS as aquisições de produtos realizadas pelos investidores de obras de infraestrutura (PAC), sendo que o segmento de geração de energia eólica foi um dos beneficiários mais importantes. Mais informações podem ser obtidas aqui.

 

Fim do conteúdo da página